Tel/Fax: 00 55 (41) 3276-4778

Fax: 00 55 (41) 3276-4778

Celular: 00 55 (41) 8403-2009

Skype: 00 55 (41) 3941-5577

MSN: futebolcia@hotmail.com

Curitiba - Paraná - Brasil

 

 

Nossos Profissionais

GRUPO FUTEBOL Cia

FUTBOL Cia PERÚ

Roberto Jasaui Sabat

00 55 1 225-5182

00 51 1 99031-8651

Lima-Peru

Quem Somos       Nossos Serviços                                                  Fale conosco               

Futebol brasileiro em crise

 

Fonte: O Globo

por Marcelo Motta - 22/09/2008

 

 

O treinador Gildo Rodrigues (FUTEBOL Cia), 58 anos, passou quase toda a sua vida profissional entre a África e o Oriente Médio. No final dos anos 90, ele estava na Europa e decidiu visitar o filho Stefano, que jogava no Vitesse, da Holanda. Foi com surpresa que viu cinco meninos brasileiros, todos na faixa dos 15 anos, treinando nas divisões de base do clube. Parou para observar o quinteto e ficou assustado com o que viu. Apesar de ainda tão jovens, já não se diferenciavam dos outros garotos, quase todos holandeses. Nem mesmo o jeito de carregar a bola lembrava o de um menino brasileiro.

- Estavam totalmente integrados à realidade deles, ao estilo holandês de jogar. Não tinham mais a nossa identidade, aquela coisa que diferencia o jogador brasileiro dos demais e que é o que atraia os estrangeiros - lembra o treinador, atualmente supervisor das divisões de base da seleção brasileira.


Como Gildo previu na época, nenhum deles vingou. Deixaram de ter o carimbo de jogador brasileiro e se tornaram uma cópia holandesa.

- O engraçado é que eles vêm aqui atrás do jeito brasileiro de jogar. Levam os garotos e os inserem num processo mecânico de formação. Resultado: o que era diferente acaba se tornando igual ao que têm lá - lamenta Gildo Rodrigues.

 

Seleção já sente os efeitos

O que surpreendeu o treinador carioca há 10 anos hoje é praticamente uma regra. A cada ano os clubes europeus, e não apenas os poderosos, sugam do Brasil talentos cada vez mais precoces. Na prática, estes garotos, criados dentro do estilo brasileiro de atuar, estão sendo lapidados em outros países, de acordo com suas tradições, costumes e forma de jogar. A maioria vai se tornar um profissional, muitas vezes, sem qualquer resquício da escola brasileira. Sem habilidade, sem dribles.

- É um problema que pode acabar afetando seriamente o futebol brasileiro num futuro próximo - alerta Carlos Alberto Parreira.

A seleção já sente os efeitos deste processo. Os jogadores atuam de uma forma na Europa e, quando se reúnem para defender o Brasil, têm que se adaptar aos estilo do futebol pentacampeão. Sem tempo para isso, o resultado no campo acaba sendo o que se tem visto: um time sem identificação com a essência do futebol brasileiro. O que explica, por exemplo, a repentina mudança de Marcelo, lateral ofensivo dos tempos do Fluminense e que se tornou um jogador contido, pouco ousado.

No fim do ano passado, Vanderlei Luxemburgo já tinha tocado no assunto, durante simpósio realizado no Rio de Janeiro. Em sua palestra, disse que via com preocupação a saída cada vez mais cedo dos garotos, antes de estarem formados como jogadores brasileiros.

O hoje treinador do Palmeiras usou o zagueiro Adaílton, do Santos - ex-clube de Vanderlei - como exemplo do mal que a saída antes do tempo pode provocar.


- Ele foi garoto para a França e voltou sem a menor idéia de como se joga no Brasil. Estava sempre mal colocado, chegava atrasado e acabava batendo muito. Alguma lei precisa ser criada para impedir a saída tão prematura dos nossos jogadores - disse Vanderlei, na ocasião.

Mesmo quem está do outro lado do problema tem suas preocupações. O ex-jogador Leonardo, atualmente dirigente do Milan, clube comprador, vê com um pé atrás a saída prematura dos jogadores:

- Só aqueles que conseguem manter as aptidões naturais do brasileiro acabam se destacando.

Mas a teoria tem mostrado que mesmo os que se destacam nas divisões de base podem sofrer fortes influências, a ponto de alterar o estilo de jogar. Atacante do Fluminense, Somália, 31 anos, saiu cedo do país. Tinha 19 anos quando foi para a Eslovênia. Sabe bem o que pode acontecer com a carreira de um garoto que vai para o exterior:

- Jogar na Europa foi bom para mim. Era ponta-direita e me tornei centroavante. Mas tem gente que muda tanto o estilo que acaba se transformando em outro jogador.
Somália cita um jogador da seleção como exemplo do que pode acontecer com um brasileiro que vai muito cedo para a Europa:

- Eu joguei com o Anderson no Grêmio. Aquele jogador habilidoso, que fazia fila driblando e tinha um toque refinado, não existe mais. Agora temos o volante do Manchester United. Anderson continua um belo jogador, mas não é mais aquele menino que foi eleito o melhor do mundo no Mundial Sub-17.

Os gêmeos Fábio e Rafael, de 17 anos, que trocaram o Fluminense pelo Manchester United no início de 2008, seguem pelo mesmo caminho. Já estão se acostumando ao estilo inglês de jogar. O canhoto Fábio, habilidoso e muito bom no apoio, tem tido menos chances que o irmão, que se destaca mais na marcação. Natural, já que na Inglaterra os laterais são, antes de tudo, jogadores de defesa.


Certamente a mudança será boa para o Manchester United. Os gêmeos também podem lucrar. Só quem não ganha nada com isso é o futebol brasileiro.

 

Fifa teme uma Copa só com brasileiros

"O Brasil vai acabar sendo batido por ele mesmo se continuar exportando tantos jogadores. Eles vão se naturalizar e um dia todas as seleções do mundo jogarão apenas com brasileiros". A profecia é do presidente da Fifa, Joseph Blatter, cada vez mais preocupado com a legião de jogadores brasileiros que a cada ano trocam de nacionalidade e passam a defender a seleção do país que os abriga.

Para quem acha que Blatter está exagerando, não custa lembrar que em 2004, no Mundial de Futsal realizado em Tawain, já sob a chancela da Fifa, a Itália tinha 12 brasileiros naturalizados numa lista de 14 jogadores. Acabou vice-campeã, à frente do Brasil.

Quanto mais jovem o jogador vai embora, mais chances ele tem de vir a se naturalizar. Para tentar limitar o êxodo juvenil, a Fifa impede que jogadores com menos de 18 anos troquem de país. A não ser que os pais acompanhem o menino. Por isso, quando os clubes contratam um menor, levam junto toda a família.

Antes das eliminatórias para a Copa de 2006, o Qatar ofereceu US$1 milhão para o atacante Aílton, então brilhando na Alemanha, se naturalizar. O brasileiro aceitou, mas a Fifa brecou o negócio, alegando que o jogador tinha que passar pelo menos um ano no país antes da naturalização.

Mesmo assim, na última Eurocopa havia brasileiros espalhados por diversas seleções. Portugal tinha Deco e Pepe; a Polônia veio de Roger, enquanto a campeã Espanha atacou de Marco Senna. A Turquia, por sua vez, tinha o carioca Mehmet Aurélio.


Exigência de competitividade inicia no mirim

Exportadores por excelência, os clubes brasileiros negociam talentos cada vez mais jovens e em quantidade cada vez maior. Resolvem suas necessidades financeiras imediatas, seguem longe de se tornarem potências capazes de competir no mercado internacional e ainda precisam repor suas perdas para compor suas equipes. Para resolver a equação, o olhar se volta para as divisões de base. O resultado é uma verdadeira revolução no processo de formação de jogadores. A linha de produção precisa ser cada vez mais veloz. Hoje, o ciclo de formação que deveria ir até os 20 anos, raramente se completa.

Os quatro clubes grandes do Rio disputam o Brasileiro tendo em seus elencos um total de 32 jogadores com idade para atuar na base. Alguns teriam idade para jogar nos juvenis e, se fossem cumprir o ciclo completo, teriam ainda três anos de juniores pela frente.

A categoria juvenil, aos poucos, substitui a júnior em nível de importância e se transforma na hora da verdade para os jogadores. A necessidade dos clubes faz com que, nesta fase, os jogadores precisem estar técnica e fisicamente prontos para atender o time profissional.

- Temos que colocar a plantação na estufa mais cedo, para ela amadurecer mais rápido. Não dá para deixar secar ao ar livre - afirma Rivelino Serpa, gerente de futebol de base do Flamengo.


- A trajetória é encurtada e o crescimento técnico e físico é antecipado. Até a década de 90, os jogadores ficavam mais tempo na base. O jogador que é diferente, que tem um talento especial, acaba preenchendo lacunas dos profissionais quando está no juvenil - diz Bruno Costa, gerente de futebol de base do Fluminense.

Hoje, quem chega ao último ano de juniores sem passagem importante nos profissionais vê o sonho de sucesso distante. Em geral, acaba emprestado ou, por vezes, dispensado. Nas competições de juniores, os poucos jogadores que estão no último ano da categoria são, em geral, atletas já promovidos ao profissional mas que, por não serem escalados na equipe principal, descem para jogar.

- O problema é quando eles descem e desmerecem o fato de estar na base. Isto precisa ser trabalhado - diz Serpa. - O jovem olha o topo da escada e esquece o degrau.

Para os treinadores, um desafio também se coloca.

- Às vezes, clubes fazem parcerias em torno de jogadores juvenis e torna-se necessário negociar. Não há a preocupação de trabalhar o jovem para subir - diz Caio Júnior, do Flamengo.

O rubro-negro, por exemplo, negociou jogadores cobiçados pelo exterior sem sequer passarem pelos profissionais. Foi o caso do atacante Pedro Beda, vendido à Traffic e logo revendido a um clube holandês.

- Íamos convocar o Pedro Beda para a sub-20. Na hora de fazer a relação, soubemos que ele já tinha sido vendido sem sequer passar pela seleção - conta Gildo Rodrigues, supervisor das divisões de base da CBF, lembrando o caso do lateral Michel, também do Flamengo, vendido logo após um torneio com a seleção de base.

O Flamengo lançou Erick Flores no Brasileiro aos 18 anos. O time perdera jogadores e precisava de peças. Além do aspecto técnico, Erick sentiu a diferença física. Hoje, segue entre os profissionais, mas é trabalhado para voltar melhor.


Num Fluminense sob pressão para evitar o rebaixamento, o atacante Maicon, de 18 anos, virou opção constante após a saída de atacantes. Aos 19 anos, Tartá foi lançado no Estadual e logo apontado como solução. O clube também negociou jovens para o exterior, como o meia Marinho e o atacante Maurício - este sequer atuou no profissional.
O Vasco, em crise semelhante, vendeu os promissores Phillipe Coutinho e Pablo, de 18 anos. Enquanto isso, Alan Kardec e Alex Teixeira, também de 18, têm a responsabilidade de tirar o time das últimas colocações. Entre elogios e críticas.

No Botafogo, o goleiro Luís Guilherme, de 16 anos, já treina nos profissionais e já passou até por um período de testes no Arsenal. Posto na vitrine, atuou num time reserva do Botafogo que excursionou pela Europa.

O Flamengo chegou a montar um trabalho de neurolingüística nas divisões de base. O objetivo é dar aos jovens experiências de frustração, derrota, vitória e compromisso com resultados mais cedo.

- Não há tempo de maturação. A idéia de atividade lúdica no futebol já fica para trás desde o mirim, onde há meninos de 10 ou 11 anos. Já se busca compromisso, competição - diz o psicólogo do Flamengo, Paulo Ribeiro. - Muitos infantis já têm contrato profissional. A relação com o clube se empobreceu. Há jovens que, na base, já se comprometem com clubes europeus. Não desenvolvem carinho pelo clube. O atleta brasileiro está mudando antes de sair.